Presidente 40

por Vera Magalhães

 

PT discute prorrogar mandatos de dirigentes

Jorge Araújo/Folhapress

O PT discute aprovar em seu 4º Congresso, que acontece em setembro, em Brasília, a prorrogação dos mandatos dos atuais dirigentes para evitar que o PED, processo eleitoral interno, coincida com as eleições de 2012.

Com isso, as eleições para a escolha de diretórios petistas passariam para 2013, e seriam realizadas de quatro em quatro anos. Discute-se a possibilidade de estabelecer um mecanismo de "recall" após dois anos para confirmar os mandatos dos dirigentes.

Os representantes do chamado Campo Majoritário --que reúne as tendências Construindo um Novo Brasil, Novos Rumos e PT de Luta e de Massa-- se reúnem neste sábado em um hotel na capital paulista para tentar fechar uma posição unificada para ser levada ao congresso.

A ala hegemônica do partido deve se posicionar contrariamente a propostas que tentem impedir ou dificultar a realização de prévias para a escolha de candidatos no PT.

"As prévias são uma conquista do PT. Seria um retrocesso na democracia interna mexer nisso. O que se defende é que haja um diálogo para decidir quando as prévias são necessárias e quando é possível construir um consenso", disse ao blog o presidente estadual do PT paulista, Edinho Silva.

O encontro da principal corrente petista também deverá ser um termômetro para a disputa para a Prefeitura de São Paulo. Estarão presentes vários ministros do governo Dilma Rousseff, caciques, parlamentares e pré-candidatos.

Escrito por Vera Magalhaes às 12h25

Comentários () | Enviar por e- mail | PermalinkPermalink #

TSE definirá regras de plebiscito no dia 5

Divulgação

Uma audiência pública promovida pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) na próxima sexta-feira, dia 5, definirá as regras do plebiscito sobre o desmembramento do Pará, marcado para 11 de dezembro.

Participarão todos os interessados na consulta, das três regiões envolvidas --o sul, que pretende criar o Estado de Carajás, o oeste, onde ficaria Tapajós, e os que são contrários à divisão e ficariam na área remanescente do Pará.

Nessa audiência serão discutidos os termos de dez instruções que o TSE vai editar regulamentando o plebiscito.

Elas vão discorrer sobre escolha e o registro das frentes pró e contra a divisão, datas e extensão da propaganda eleitoral, arrecadação e prestação de contas das frentes, organização do plebiscito, pesquisas, totalização e proclamação dos resultados, além de outras questões menores.

Escrito por Vera Magalhaes às 19h29

Comentários () | Enviar por e- mail | PermalinkPermalink #

Canal Viva fatura com Dilma 'noveleira'

Divulgação/TV Globo

O Canal Viva, emissora de TV paga voltada para a reprise de novelas e programas antigos, principalmente produzidos pela Rede Globo, não perdeu tempo.

Nesta quinta-feira, em anúncios de quase uma página em jornais, o canal estampa: "Quer marcar audiência com a presidente da República? Tente depois de Roque Santeiro".

É uma alusão à entrevista concedida por Dilma ao colunista Jorge Bastos Moreno durante jantar na última quinta-feira, publicada em duas páginas na edição de sábado do jornal "O Globo".

Na conversa, Dilma confessou ser uma "noveleira saudosista", disse ter "saudades" de tramas como "Roque Santeiro" e "O Casarão", elegeu Glória Perez a melhor novelista do país e tascou um elogio ao canal: "Graças a Deus que surgiu o Canal Viva. Fico ligada nele".

Dilma não está sozinha na lista dos políticos que acompanham as tramas. O ex-presidente do PT, José Eduardo Dutra, é um noveleiro contumaz, que ainda comenta as tramas do Viva no microblog Twitter. Na reprise da minissérie "Anos Rebeldes", chegava a antecipar cenas inteiras, de memória. E também não perdia um capítulo de "Vale Tudo", que terminou há duas semanas.

Escrito por Vera Magalhaes às 11h50

Comentários () | Enviar por e- mail | PermalinkPermalink #

O curioso salvo-conduto de Jobim

Como diria Nelson Jobim, em seu já célebre discurso em comemoração pelos 80 anos de Fernando Henrique Cardoso, os tempos mudaram.

Em tempos passados, era de se presumir que ministros de um presidente tivessem votado para elegê-lo.

Em raros casos em que isso não fosse verdade, no passado esses ministros tratariam de usar a prerrogativa do voto secreto e calar sobre isso.

Supondo-se, por absurdo, que revelassem a infidelidade, era de se prever que houvesse uma demissão, ou ao menos uma crise.

Mas eis que surge Jobim para subverter qualquer lógica política.

Jobim votou em Fernando Henrique Cardoso, foi seu ministro e por ele indicado para o Supremo Tribunal Federal.

Em 2002, já no STF, é de se supor que tenha votado no amigo José Serra. Lula certamente sabia disso quando o nomeou para a Defesa, tempos e muitos ministros depois.

Pois agora se sabe que, instalado no governo petista, Jobim repetiu seu sufrágio em Serra.

A revelação, feita em entrevista ao programa "Poder e Política", da Folha e do UOL, comandado pelo repórter e colunista Fernando Rodrigues, está no jornal desta quarta-feira e desde as 7h na Folha.com.

 

Já passa de 19h30 e não consta que Jobim tenha sido admoestado por Dilma Rousseff, sua chefe, que não mereceu seu voto.

Em seu discurso, Jobim sugeria, com condescendência, ao amigo FHC que tivessem "tolerância e compreensão" com os idiotas. Cada vez mais é intrigante saber a quem se referia.

Escrito por Vera Magalhaes às 19h37

Comentários () | Enviar por e- mail | PermalinkPermalink #

Com Haddad, PC do B pode desistir de Netinho

Luiz Carlos Murauskas/Folhapress

Dirigentes do PC do B fizeram chegar à cúpula do PT de São Paulo avaliação segundo a qual, se o candidato petista à prefeitura da capital for o ministro Fernando Haddad (Educação), o partido pode desistir de lançar à corrida o vereador Netinho de Paula.

Isso porque a base do partido em São Paulo é, em larga escala, composta por entidades ligadas à educação --tanto de professores quanto de estudantes.

Boa parte dessa base apóia o titular do MEC, como mostra a acolhida recebida por ele no congresso da UNE em Goiânia, há duas semanas.

Ter no apoio do aliado histórico, que atualmente anda meio afastado do PT na capital, é uma variável que vem sendo citada internamente como trunfo da postulação de Haddad --que começou cercada de desconfiança por parte dos petistas e hoje vai ampliando sua base de apoio.

Escrito por Vera Magalhaes às 14h23

Comentários () | Enviar por e- mail | PermalinkPermalink #

Lula vai a fórum Colômbia-Brasil

Folhapress

O ex-presidente Lula participa no dia 4 de agosto lançamento do Primeiro Fórum de Investimentos Colômbia-Brasil, em Bogotá.

Lula estará ao lado do presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, que sucedeu Alvaro Uribe no ano passado.

Além de Lula, participarão do evento o ministro Paulo Bernardo (Comunicações), e os governadores Geraldo Alckmin (SP), Eduardo Campos (PE) e Sérgio Cabral (RJ).

A participação de Lula como estrela no evento mostra uma reaproximação do ex-presidente com a Colômbia depois de uma relação marcada por incidentes em seu governo.

Lula criticou Uribe por ter denunciado a Venezuela à OEA no fim de seu mandato --atitude que fez com que o presidente Hugo Chávez rompesse relações diplomáticas com a Colômbia.

Além disso, acusações de ligações entre o governo Lula e o PT com as Farc (Forças Revolucionárias Colombianas) foram uma constante no governo Lula e um dos temas mais explorados na campanha pelo adversário da presidente Dilma Rousseff, o tucano José Serra.

Escrito por Vera Magalhaes às 14h16

Comentários () | Enviar por e- mail | PermalinkPermalink #

Jingle compara novos Estados a 'filhos' do Pará

O jingle da campanha pela emancipação de Carajás e Tapajós tem a cara de Duda Mendonça.

Estão lá todos os ingredientes da fórmula do marqueteiro: o tom emocional, o uso de um ritmo (no caso, sertanejo) que tem relação histórica e cultural com o "cliente" da vez, e as metáforas familiares para tornar mais didática a mensagem.

A metáfora da vez é comparar a pretendida emancipação de Carajás e Tapajós ao crescimento dos filhos. De quebra, a letra diz que os três Estados que resultariam da divisão continuariam "unidos", como uma "família".

O lançamento simultâneo da campanha publicitária pela divisão foi marcado por esse tom épico-emocional.

"Muita gente chorou na exibição do jingle. As Câmaras de Santarém e Marabá ficaram com gente do lado de fora", descreveu ao blog o deputado estadual João Salame (PPS), um dos líderes do movimento pró-Carajás.

Os coordenadores do comitê garantem que o marqueteiro não cobrou nada pela criação das peças _além do jingle, ele apresentou a logomarca da campanha e deve fazer vídeos_, apenas indicou a agência que cuidou da produção e fará também a divulgação: a FSB.

Escrito por Vera Magalhaes às 19h35

Comentários () | Enviar por e- mail | PermalinkPermalink #

Timóteo condecorou aliado ao qual falou em propina

Divulgação

Agnaldo Timóteo discursa na homenagem a Amorim (com a placa)

O vereador Agnaldo Timóteo (PR-SP), que enviou carta a um ex-aliado na qual se refere à tentativa de cobrança de propina por parte de "oportunistas" de seu partido, agraciou o destinatário da carta, Geraldo de Souza Amorim, com um título de Cidadão Paulistano em 2009.

A reportagem sobre a carta de Timóteo implicando o PR em nova acusação de cobrança de propina, de minha autoria em parceria com Daniela Lima, foi publicada na edição desta quinta-feira da Folha.

A festa de entrega do título a Amorim foi em janeiro de 2010. Alguns meses depois, os dois romperam.

Timóteo demitiu de seu gabinete a filha de Amorim, empresário que comandava a administração da Feira da Madrugada, mas foi substituído pela empresa do advogado Ailton Vicente de Oliveira em 2010.

Na carta ao antigo amigo, Timóteo se refere a favores recíprocos entre ele e o empresário e lamenta que Amorim tenha dado ouvido a "maus conselheiros" que o fizeram "peitar o Waldemar [sic]" e, assim, perder sua "galinha com ovos de ouro".

Em representação protocolada nesta quarta-feira no Ministério Público Federal, o deputado federal Ivan Valente (PSOL) pede investigação sobre improbidade administrativa envolvendo a administração da Feira da Madrugada, políticos e empresários da feira, que reúne cerca de 6.000 comerciantes numa espécie de shopping popular.

Escrito por Vera Magalhaes às 09h49

Comentários () | Enviar por e- mail | PermalinkPermalink #

Duda lança campanha pró-Carajás nesta quinta

Folhapress

O marqueteiro Duda Mendonça apresenta nesta quinta-feira, simultaneamente em Marabá, Santarém e Belém, a campanha que criou a favor da criação do Estado de Carajás, a partir da divisão do Pará.

O  IPEC (Instituto Pró-Estado de Carajás), que contatou Duda para defender o novo Estado no sul do Pará, diz que o marqueteiro criou a campanha publicitária gratuitamente.

O marqueteiro é proprietário de terras na região em que será criado o novo Estado, caso o plebiscito de 11 de dezembro decida pela divisão do Pará.

A campanha deverá ter tom otimista, procurando mostrar que a divisão do Estado trará benefícios para as três regiões envolvidas, para a região Norte e para o desenvolvimento do Brasil.

Será algo na linha de que a divisão será vantajosa para todos, embora muito se questione a viabilidade econômica das novas unidades federativas e o impacto da criação de novos Estados nas contas públicas.

Escrito por Vera Magalhaes às 11h26

Comentários () | Enviar por e- mail | PermalinkPermalink #

Caso Pagot opõe Gleisi e Carvalho

Folhapress

A solução que a presidente Dilma Rousseff der à situação funcional de Luiz Pagot, diretor-geral do Dnit oficialmente em férias, será emblemática de como ela pretende arbitrar as divergências entre os ministros "de Lula" e aqueles que trazem a sua própria chancela.

Desde que estourou a crise no Ministério dos Transportes, a Casa Civil tem informado que, a despeito de estar de férias, Pagot será definitivamente demitido quando voltar.

Quando o diretor deu entrevista a este blog reiterando que tinha saído de férias por orientação da pasta, a assessoria da ministra se apressou em desmenti-lo e em deixar claro que ele seria afastado definitivamente tão logo voltasse.

A Secom, da Presidência, também anunciou aos jornalistas que cobrem o Palácio do Planalto que o afastamento viraria demissão tão logo o período de descanso acabasse.

Começou aí uma série de ameaças do diretor do Dnit, tendo Gleisi e o também ministro Paulo Bernardo (Comunicações) como alvos. Depois, os ânimos foram apaziguados pelo padrinho de Pagot, o senador Blairo Maggi (PR-MT), e ele fez dois depoimentos contidos em comissões do Congresso.

Tão logo mostrou disposição de colaborar, Pagot passou a ser defendido enfaticamente pelo também ministro Gilberto Carvalho, titular da Secretaria Geral da Presidência e o assessor de Dilma mais próximo de Lula.

"Até agora, a única pessoa contra quem não apareceu nenhuma denúncia efetivamente é o Pagot", afirmou ao jornal Valor na sexta-feira, antes da publicação, pela Folha, nesta segunda-feira, de novas revelações envolvendo o diretor do Dnit.

Resta saber como Dilma vai arbitrar a disputa na cozinha do Palácio. As férias de Pagot, a propósito, terminam em 5 de agosto.

Escrito por Vera Magalhaes às 11h44

Comentários () | Enviar por e- mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Blog Presidente 40 Blog da Folha com notícias, análises e bastidores da política nacional, coordenado por Vera Magalhães, repórter especial do jornal em São Paulo.
Twitter Twitter RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.